26 junho 2017

República Romana (509 a.C. a 27 a.C) - resumo

Esse é um resumo, especialmente para ajudar no estudo dos meus alunos. Talvez eu o amplie no futuro... talvez. Algumas pessoas reclamaram do resumo completo com todos os períodos da História da Roma Antiga. Então, aqui vai “separadinho” por períodos.

Não tenho a pretensão de esgotar o assunto nem estão todos os aspectos abordados aqui, se o que você busca não está contemplado, lembre que esse é um blog, não um compêndio de PDFs completos.

Se você quiser ler o texto com todos os 3 períodos da História da Roma Antiga, clique aqui


República Romana (509 a.C. a 27 a.C) 

Com o fim da Monarquia, inicio-se o período republicano. Nessa época, o Senado Romano (Conselho de Anciãos) ganhou grande poder político. Os senadores, de origem patrícia, cuidavam das finanças públicas, da administração e da política externa. As atividades executivas eram exercidas pelos magistrados.

Com o surgimento da República, os patrícios reservaram para si os cargos políticos, as magistraturas e os sacerdócios, os plebeus, excluídos da vida política, se organizaram e reagiram, resultando em vários conflitos. A insatisfação da plebe se intensificou com a Revolta do Monte Sagrado. Após esse episódio, os plebeus conquistaram maior participação política e melhores condições de vida. As maiores conquistas do plebeus foram:

  • A criação dos tribunos da plebe, magistratura que permita poder de veto sobre as decisões do Senado, garantindo a defesa dos direitos da plebe; 
  • A Lei das Doze Tábuas (A passagem do Direito consuetudinário para um código de leis escritas) foi um avanço político e uma conquista da plebe que, ameaçando a aristocracia, assegurou um código escrito que lhe garantia certos direitos; 
  • Lei Licínia, que garantia a participação dos plebeus no Consulado (dois cônsules eram eleitos: um patrício e um plebeu); 
  • Lei Séxtia, que garantia participação nos espólios de guerra para os plebeus; 
  • Lei Canuleia, que favorecia o casamento entre patrícios e plebeus, trazendo com isso uma nova organização social e casamentos por interesses financeiros; 
  • e, por fim, a Lei Licínia também aboliu a escravidão por dívidas, mas apenas para cidadãos romanos.

Formação e Expansão do território Romano 

Após expulsar os etruscos de Roma, os romanos expandiram seu território por toda a península itálica, a partir daí, os romanos partiram para as conquistas de outros territórios. Com um exército bem preparado e muitos recursos, venceram os cartagineses, liderados pelo general Anibal, nas Guerras Púnicas (século III a.C). Esta vitória foi muito importante, pois garantiu a supremacia romana no Mar Mediterrâneo. Os romanos passaram a chamar o Mediterrâneo de Mare Nostrum. O domínio do Mediterrâneo provocou sensíveis transformações sociais e econômicas Enriquecimento do Estado romano, aparecimento de uma poderosa classe de comerciantes, aumento do número de escravos.

Mapa: Guerras Púnicas
Fonte: http://vemfazerhistoria.blogspot.com.br/2008/
03/guerras-pnicas.html

Após dominar Cartago, Roma ampliou suas conquistas, dominando a Grécia, a Macedônia, a Gália, uma parte da Germânia, a Trácia, a Síria e a Palestina, e por fim o Egito. Com as conquistas, a vida e a estrutura de Roma passaram por significativas mudanças. O império romano passou a ser muito mais comercial do que agrário. Povos conquistados foram escravizados ou passaram a pagar impostos para o império. As províncias (regiões controladas por Roma) renderam grandes recursos para Roma. A capital do Império Romano enriqueceu e a vida dos romanos mudou.

*Sobre as Guerras Púnicas, tem um texto muito bom, publicado em: Vem Fazer História

A preocupação romana, com as guerras e a manutenção do império, não evitou que a religião tivesse grande importância na vida cotidiana. Nas suas crenças religiosas, os romanos eram politeístas e Imitaram os gregos em muitos princípios e na aceitação das divindades. Os romanos latinizaram os deuses, heróis e seres mitológicos gregos, adotando-os para si.

Júlio César no Senado
Fonte:  Série Roma, HBO: 2005 a 2007

Conseqüências da Expansão Romana
  • Enfraquecimento da cidade de Roma; 
  • Economia deixa de ser agrária passando a ser baseada no comércio; 
  • Empobrecimento dos pequenos agricultores; 
  • Aumento do número de escravos; 
  • Conflitos entre plebeus e patrícios; 
  • Crise no sistema republicano.
O território romano cresceu, trazendo o empobrecimento dos pequenos agricultores, que para fugir das dívidas vendiam suas propriedades aos ricos patrícios. Isso acarretou um problema social sem precedentes: Roma tinha um número enorme de escravos que faziam todo o trabalho; ricos patrícios e plebeus que possuíam tempo livre para investir em assuntos políticos; disputas entre patrícios e plebeus enriquecidos; e um êxodo rural que inflou as cidades da República com um enorme contingente de mendigos, ladrões e prostitutas. 

Em 133 a.C. os irmãos Tibério e Caio Graco, ambos Tribunos da Plebe, tentaram criar uma lei para a Reforma Agrária, mas foram assassinados e a lei anulada. Em 123 a.C., numa tentativa de amenizar a crise, assumiram o poder os Generais Mário e Sila, como cônsules, iniciando uma tradição romana, sempre que há uma crise os militares assumem o poder. 

Por volta do ano 100 a.C., os senadores, temendo o fim da República, criam os triunviratos, onde três cônsules, homens de diferentes seguimentos sociais governariam Roma ao mesmo tempo.

Primeiro Triunvirato
  • Crasso (patrício) representava as elites ricas de Roma, morreu em seguida, numa batalha no Oriente. 
  • Pompeu (general) representava o exército. 
  • Júlio César (general) representava o povo, tinha um grande carisma entre as camadas mais humildes de Roma.
César e Pompeu lutam pela centralização do poder. Inicia uma guerra civil em Roma. Júlio César venceu Pompeu e assume o poder. Pompeu fugiu para o Egito onde acabou sendo assassinado. 

Júlio César sendo assassinado no Senado
Fonte:  Série Roma, HBO: 2005 a 2007

O faraó Ptolomeu XIV enviou de presente para Júlio César a cabeça de Pompeu, César horrorizado por receber a cabeça do adversário numa bandeja, destitui Ptolomeu do reinado egípcio, apoiando a posse da rainha Cleópatra. No processo de domínio romano o Egito, tornou-se um protetorado romano.

Ao voltar para Roma, César iniciou um processo de reformas sociais: 
  • combate a corrupção; 
  • diminuição de impostos; 
  • distribuição de trigo ao povo. 
César passa a ter o apoio do povo (plebe), porém, sua decisão de nomear-se ditador vitalício fez com que ele fosse assassinado em pleno senado romano por senadores patrícios.

Segundo Triunvirato 

  • Marco Antônio (general) representante do exército e do povo, tinha grande carisma entre o povo; 
  • Otávio (senador) herdeiro de Júlio César, acredita-se que era sobrinho de César, tinha apoio do senado; 
  • Lépido (patrício) representante da elite romano, logo foi afastado (morto).
Otávio em campanha contra Marco Antônio e as tropas do Egito
Fonte:  Série Roma, HBO: 2016
Marco Antônio e Otávio lutam pela unificação do poder. Novo período de disputas dentro da enfraquecida República Romana. Nesse processo, ocorre uma batalha definitiva entre as tropas de Marco Antonio e Otávio, em território egípcio. Otávio Augusto, vence Marco Antonio, conquista o Egito e funda o IMPÉRIO. Tornando-se o primeiro imperador de Roma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário