quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Revoltas do Período Regencial - Rusga (1834 - 1835)


Confraria dos Atores, no espetáculo Rusga.
Inspirado no História de Cuiabá e na rebelião do Período Regencial.
Fonte: http://confrariadosatores.blogspot.com.br/2011/11/confraria-dos-atores-reapresenta-rusga.html

Quando o Brasil se tornou independente, o cenário político ficou dividido em dois setores: os liberais, que defendiam a autonomia política das províncias e a reforma das antigas práticas coloniais; e, de outro lado, os conservadores, portugueses que defendiam uma estrutura política centralizada e a manutenção dos privilégios que desfrutavam antes da independência. Com a saída de Dom Pedro I do governo e a instalação dos governos regenciais, a disputa entre esse dois grupos políticos se acirrou a ponto de deflagrar diversas rebeliões pelo Brasil.

Na região do Mato Grosso, a disputa política era representada pela “Sociedade dos Zelosos da Independência”, formada pelos liberais, e pela “Sociedade Filantrópica”, formada pelos conservadores. Em 1834, a questão política culminou em um violento confronto que ganhou o nome de Rusga. O termo rusga significa desordem, confusão, desentendimento.

Na madrugada de 30 de maio de 1834, ao som de tiros e palavras de repúdio contra os portugueses, cerca de oitenta revoltosos partiram do Campo do Ourique e tomaram o Quartel dos Guardas Municipais. A elite liberal promoveu uma matança contra seus inimigos, a elite portuguesa conservadora. Aproveitando-se do clima de instabilidade política, camadas inferiores da sociedade protestaram contra a miséria e as dificuldades pelas quais passavam em uma província que, na época, vivia uma grande crise econômica. Saques e roubos aos estabelecimentos comerciais da cidade de Cuiabá foram as manifestações de descontentamento das classes pobres da região.
 
Quartel da Guarda Municipal
Onde ficaram presos os cinco acusados de comandar o levante 
que culminou na morte de dezenas de pessoas.
Fonte: http://www.efecade.com.br/1834-rusga-a-mato-grosso/

A ordem dos “rusguentos” era de saquear a casa dos portugueses e matar cada um que se colocasse em seu caminho, levando como troféu a orelha de cada inimigo morto. Segundo alguns relatos, centenas de pessoas foram mortas pela violenta ação que aterrorizou as ruas de Cuiabá. Dessa forma, conseguiram conter a reação dos soldados oficias e tomaram as ruas da capital em busca dos “bicudos”. “Bicudo” era um termo depreciativo dirigido aos portugueses que foi inspirado pelo nome do bandeirante Manuel de Campos Bicudo, primeiro homem branco que se fixou na região. Logo após o incidente, foram tomadas as devidas providências para que os líderes e participantes da Rusga fossem presos e julgados pelas autoridades.

Assim como ocorreu em outros movimentos da época, a Rusga também foi reprimida pelas tropas oficiais e não resultou em uma alteração na ordem econômica e social da Província de Mato Grosso. Apesar do fim do levante, o clima de disputa política continuava a se desenvolver em Cuiabá.

Para saber mais: Rusga - 1834

Nenhum comentário:

Postar um comentário